Há 160 novos casos de diabetes, em Portugal, por…

824113Depois de em 2012 se ter quebrado o crescimento dos casos de diabetes, no ano passado a incidência da doença voltou a aumentar. Estima-se que tenham surgido 58.090 novos doentes, uma média de 160 por dia.

Portugal não está a conseguir baixar o número de novos casos de diabetes. As previsões do Observatório Nacional da Diabetes dizem que em 2013 terão surgido mais 5.559 doentes do que os 52.531 de 2012. Em 2011 terão sido 68.715.

“Temos feito um esforço importante para prevenir a diabetes”. Esse esforço não tem sido tão coroado de êxito como nós gostaríamos, porque na área da alimentação e do desporto ainda temos muito a fazer”, explicou Fernando Leal da Costa, secretário de Estado adjunto e da Saúde, à saída da apresentação do relatório anual do observatório: “Diabetes: Factos e números”. Já antes, José Manuel Boavida, diretor do Programa Nacional para a Diabetes, tinha apontado o crescimento dos casos como um dos pontos negativos do balanço. Uma “batalha” que, disse, tem de ser travada com a ajuda de “outros setores”, além do da saúde, como os da educação, trabalho, economia, e planeamento. Outro dos problemas identificados pelo especialista é o do aumento das amputações dos membros inferiores. De 1493, em 2012, passou-se para 1556 em 2013. “Este número tem claramente de diminuir”, frisou. O número de internamentos por pé diabético também cresceu. Houve mais 155 casos de hospitalizados de um ano para o outro. Mas nem todos os indicadores são negativos. O número de doentes acompanhados nos cuidados primários, por exemplo, está a aumentar. “Dois terços das pessoas acompanhadas nos centros de saúde têm a diabetes controlada”, revelou José Manuel Boavida.

Segundo o documento, em 2013, a prevalência de diabetes na população portuguesa entre os 20 e os 79 anos (7,8 milhões) foi de 13%. Ou seja, a doença atinge mais de um milhão de pessoas. Destes 13%, cerca de 7,3% estão diagnosticados, mas 5,7% não sabem que desenvolveram diabetes. Em 2009, a taxa de prevalência foi de 11,7%. Os dados apontam ainda para que 27% da população sofre de hiperglicémia intermédia (vulgarmente designada por pré-diabetes). “Quase metade da população (40%) tem ou pode vir a ter diabetes”, sublinhou Luís Gardete, coordenador do Observatório, na apresentação.

A faixa etária com maior incidência, com ou sem diagnóstico, é a dos 60 aos 79 anos (27%). Na divisão por género, são os homens que mais sofrem: 15,6% contra 10,7% registado nas mulheres.